Topo da página

Pesquisa

Conteúdo do site

Coluna esquerda

Coluna do centro

Novo prognóstico aponta maior chance de chuvas em torno da média até maio

Funceme apresentou previsão climática mostrando 43% de probabilidade de precipitações em torno da média histórica. Aporte aos açudes ainda preocupa

A probabilidade de chuvas dentro da média histórica no Ceará é de 43% para os meses de março, abril e maio. O prognóstico, divulgado pela Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme) na manhã desta terça-feira (21), também projeta 20% chances de chuvas acima da média e 37% de probabilidade de precipitações abaixo da média.

Apesar da expectativa, ações de segurança hídrica devem permanecer, já que as recargas aos açudes nesses dois primeiros meses do ano ainda não são suficientes para atenuar o rastro dos cinco anos consecutivos de estiagem.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio, explicou que, mesmo que os índices estejam dentro da média histórica, não há certeza de que haverá aporte hídrico. “Quando a gente roda as simulações de vazão d’água, com base no prognóstico, a tendência é de o escoamento ficar abaixo da média. Isso não significa que teremos aporte significativo para os reservatórios estratégicos, como o Castanhão, Orós e Banabuiú”, indica.

As chuvas acima da média para este mês de fevereiro, segundo o titular da Funceme, foram concentradas, o que se espera que ocorra ao longo dos próximos meses. “Chuvas concentradas significam que o solo não tem capacidade de absorver toda essa chuva, gerando escoamento superficial, que se transforma em aporte para os reservatórios. É melhor que continue chovendo abaixo ou na média, de forma concentrada, como está acontecendo, para alguns reservatórios continuarem vertendo. À medida em que os pequenos e médios reservatórios vão enchendo, a gente também espera que os grandes (reservatórios)  comecem a receber um aporte significativo”, afirma.

O presidente da Funceme reforça, ainda, a preocupação com o aumento das probabilidades de surgimento do El Niño para 2018. “O aquecimento do (Oceano) Pacífico está se acelerando, está colocando o aquecimento mais centralizado na Linha do Equador. Isso provoca uma descida de ar sobre o Norte e Nordeste, que impede a elevação de vapor quente e úmido, ou seja, de formar nuvens e precipitações”, projeta.

Continuidade das ações

Presidente da Cogerh, João Lúcio Farias disse que é preciso esperar as chuvas dos meses de março e abril para haver uma melhor avaliação e planejamento. O gestor também afirma que o olhar dos órgãos de controle hídrico do Estado está voltado para o próximo ano, em decorrência do El Niño.

“Vamos continuar com o nível de alerta, fazendo o planejamento dos reservatórios e controlando a economia d’água. Novas instalações de adutoras de montagem rápida estão sendo programadas e mais perfurações de poços, já autorizadas pelo governador Camilo Santana, terão continuidade. Todas as ações necessárias serão intensificadas”, garante João Lúcio.

Com as últimas chuvas significativas, o aporte das 12 bacias hidrográficas e dos 153 açudes monitorados pela Cogerh passou de 6,29% para 6,4% da capacidade total – em volume, o recente percentual representa 1,19 bilhão de metros cúbicos (m³). A capacidade total dos reservatórios é de 18,64 bilhões de m³.


FOTOS:  Deivyson Teixeira / Cagece

Coluna direita

Previsão para Fortaleza

 ◄◄  ◄  ►►  ► 
SETEMBRO 2019
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Voltar ao topo da página

Rodapé da página

Avenida Rui Barbosa, 1246, Aldeota - Fortaleza/CE - CEP.: 60.115-221

Fone: (85) 3101.1088 - Fax: (85) 3101.1093 - Email: funceme@funceme.br

Copyright © 2014 - Governo do Estado do Ceará. Todos os direitos reservados